Brasília 18% (e olhe lá)

Queria eu ter tempo para contar melhor sobre o Festival de Brasília, mas entenda, meu amor. Não rola. A semana vai ser cheia, o saco idem, neste exato instante tenho um elefante sentado sobre minhas pálpebras e ninguém lê post longo anyway. Ou ninguém lê post (meu), ponto.  

Mas uma coisa eu vou dizer: para mim, a curadoria mais errou do que acertou na mão. Não me leve a mal. O  Festival de Brasília não é o do Rio. Nada disso. No planalto é  diferente. Que se fodam os canapés, os globais, a social, Bárbara Borges na pré x pagando calcinha, Cláudio Assis no evento y mandando a senhora sua mãe tomar no cu, a senhora mãe da Nãna Shara tomando no dela no filme w, o Ego, a Caras, e as bundas também, a champa, o glamour, ah, o glamour, que se foda ele também: como Carlão Reinchenbach, um dos jurados, me disse, o lance de Brasília é o filme, “ainda a vedete do festival”. O problema é que, nesta edição, a 41ª, as vedetes não deram (pro gasto). Alguém apagou Luz del Fuego com um balde d’água fria. Da coroa de Carmen Miranda, só restou o abacaxi. Dercy Gonçalves veio de pernas e boca fechadas. Por lá, ninguém gostava de falar muito sobre isso, não, mas não resta dúvida de que, com festivais de cinema estourando pelo país feito prótese de silicone em bojo 34, o de Brasília – que só seleciona filmes inéditos – acabou levando a pior em 2008. Dos quatro primeiros longas (não vi Mocarzel nem Sarno), achei dois francamente ruins: Siri-ará, tão excitante quanto a lua de mel da Sandy em slow-motion e narração em off do Cid Moreira, e Ñande Guarani, um programa de índio (hehe) com seu jeitão de Globo repórter. Fiquei contente com o Candango para FilmeFobia, mas por pura falta de opção. Idéia boa gasta (quase) à toa. Como os planos que o Cebolinha montava para pegar o Sansão, sabe? Eles eram bons. Na teoria. E aí que fracassavam – mais por alguma falha na execução do que pelo mote original – e jamais ganhavam segunda chance. 

Flancamente, Blasília. Flancamente.

A quem interessar possa, meu ranking pra competição de 35mm, tudo na base da tangerinada. Primeiro dois curtas, depois o longa. Taí:

19/11

A mulher biônica, de Armando Praça. 5 tangerinas.

Que cavação é essa?, de Estevão Garcia e Luís Rocha Melo. 8 tangerinas.

O Milagre de Santa Luzia,   de Sergio Roinzenblit. 5,5 tangerinas.

20/11

Nº 27, de Marcelo Lordello. 5,5 tangerinas.

Cidade vazia, de Cássio Pereira dos Santos. 4,5 tangerinas.  

FilmeFobia, de Kiko Goifman. 7 tangerinas.

21/11

Brasília (título provisório), de Thiago de Castro. 5 tangerinas.

A arquitetura do corpo, de Marcos Pimentel. 7,5 tangerinas.

Siri-ará, de Rosemberg Cariry. 0,5 tangerinas.

22/11

Ana Beatriz, de Clarissa Cardoso. 6 tangerinas.

Minami em close-up, de Thiago Mendonça. 7,5 tangerinas.

Ñande Guarani, de André Luís da Cunha. 1,5 tangerinas.  

Anúncios

Tags: ,

Uma resposta to “Brasília 18% (e olhe lá)”

  1. vitor Says:

    Mas a parada é que a curadoria de brasilia nunca foi “boa”. Sei lá não é a “proposta” deles.

    Olha os vencedores:
    2007 – Cleopatra
    2006 – Baixio das Bestas (talvez o melhor filme ja premiado por la)
    2005 – Eu Me Lembro

    Se você achar uma lista de todos os filmes que competiram lá chuto que mais da metade nunca estreou no circuito.

    Depois ficam falando da “Maldição de Brasília”, que nenhum filme premiado lá se dá bem no circuito. Por que será?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: