Posts Tagged ‘festival do rio’

Festival do Rio, livro 3

outubro 16, 2008

E já que a moda é (é?) chutar cachorro morto (é sim, ué), aproveito que a repescagem termina hoje e posto as saideiras do Festival do Rio. Não se interessou? Está vendo aquele quadradinho ali? Vermelho? Com um X branco? Alto da página, ponta direita? A serventia é da casa.    

6/10

A história de Jen, de François Rotger. 6,5 tangerinas.

7/10

Romance, de Guel Arraes. 4 tangerinas.

8/10

Todo mundo tem problemas sexuais, de Domingos Oliveira. 8,5 tangerinas.

Um homem bom, de Vicente Amorim. 1,5 tangerinas.

14/10 (repescagem)

Gonzo: um delírio americano, de Alex Gibney8 tangerinas.

15/10 (repescagem)

E Buda desabou de vergonha, Hana Makhmalbaf. 8,5 tangerinas.

Anúncios

Festival do Rio, livro 2

outubro 6, 2008

01/10

Feliz Natal, de Selton Mello. 6,5 tangerinas.

03/10

Adoração, de Atom Egoyan. 2 tangerinas.

Sob controle, de Jennifer Lynch. 8 tangerinas.

04/10

Um segredo, de Claude Miller. 6 tangerinas.

Jards Macalé – Um morcego na porta principal, de Marco Abujamra e João Pimentel. 8 tangerinas.  

Vicky Cristina Barcelona, de Woody Allen. 8 tangerinas.  

Festival do Rio, livro 1

setembro 28, 2008

Vou atualizar aqui os filmes que consegui assistir no Festival do Rio, porque eu gosto de deixar tudo registrado, dar nota (0 a 10, só não vale de 4 a 6.9, www.sadtrombone.com) e me organizar para fazer o top melhores e o top(less) piores quando a maratona acabar.  Então já aviso que este post é só para auto-controle, até porque invariavelmente acabo me perdendo, já que costumo (ou costumava. falta de tempo é foda, e uma foda ruim) pegar sessões em esqueminha “oi, sou virgem”, nem sempre acertando o buraco, tiro no escuro. Passar bem e cinéfila mongol é a senhora sua mãe.

21.09 (cabine)

RocknRolla, de Guy Ritchie. 3,5 tangerinas.

Bora geral culpar a Mandonna? Sério, o filme parece Guy parodiando Guy. Rolla broxante.

Derek, de Isaac Julien. 4 tangerinas.

Curti a montagem, mas não desceu a narração brega da (Cha)Tilda Swinton (que eu até admirava. antes desse filme).

25.09 (abertura do Festival)

Última parada 174, de Bruno Barreto. 5,5 tangerinas.  

Mas vem cá: e se quiser saltar antes? Pode? (fique com o documentário do José Padilha. bem melhor.) 

27.09

Meu Marlon e Brando, de Huseyin Karabey. 7,5 tangerinas.

Tudo começou com um “opa, título bacana, horário da sessão é cômodo”. Me dei bem nessa. Filme sobre o direito (em frangalhos) de ir e vir de uma turca à cata do namorado num Iraque às portas da guerra. Destaque para os vídeos-de-amor (em vez de cartas) que ele envia a ela – espécie de ménagezão entre Bollywood, Chaves e Borat. Só não dei mais porque não curti os 30 segundos finais.

  Pega e balança